Plantão Policial MG

Seu site de Segurança Pública do Estado de Minas Gerais.

Rede Gerais





terça-feira, 30 de dezembro de 2014

0 INVERSÃO DE VALORES, ATÉ QUANDO? por Cap Leopoldo



Para reflexão da Sociedade Ordeira e para a Classe sofrida dos profissionais da Segurança Publica.


Hoje lendo algumas reportagens, revendo alguns assuntos e episódios, senti a necessidade de escrever e descrever o que tenho a certeza que grande parte de nos profissionais da segurança pública passamos, isto diante de uma polícia acuada, os criminosos, arruaceiros, contraventores, enfim, aquelas pessoas que desrespeitam as normas de convivência, e se fortalecem se tornando a cada dia mais violentos e destemidos, gerando uma situação de descontrole por parte do estado de direito.

Nós policiais que deveríamos ter tranquilidade para defender o Estado, a sociedade ordeira, e as pessoas de bem, estamos a cada dia, infelizmente, perdendo espaço para o crime e o criminoso. Li ontem, uma mensagem do Sgt Lisboa falando que no no mês de Dezembro de 2013 ele e outros companheiros tiveram a liberdade cerceada por uma situação que ocorrera em serviço, trabalhando de maneira digna, tanto que depois de julgados, foram inocentados.


Mas a principio, sequer tiveram oportunidade de serem reconhecidos por seus trabalhos, e antecipadamente foram alcançados por uma prisão preventiva e passaram Natal e Ano Novo encarcerados, privados de seus familiares e amigos.


Ontem a noite recebi uma ligação de um companheiro de trabalho que hoje graças ao nosso bom Deus, está desfrutando de sua aposentadoria como eu, ele preocupado de uma situação de um assalto, em que um filho de um capitão da mesma região que moramos foi vítima. Outra noticia é que um Sargento teria sido vítima de roubo, sendo levado de refém em seu veiculo e deixado em um local ermo, e ao tentar escapar, os bandidos desferiram 6 tiros contra ele, e graças a Deus só um o acertou na perna.


Olhando noticias em outros estados,  contemplamos perplexos, policiais lotados nas UPPs do Rio sendo covardemente mortos, quer dizer executados. Isso está ocorrendo em São Paulo e em todos estados do Brasil, onde isto vai parar? E a sociedade que de alguns anos para cá, vê uma vida ceifada apenas como números estatísticos? Somos seres humanos e não números.

Como o Estado através de suas policias, de seu sistema de segurança Publica vai solucionar isto? Como poderá mudar este cenário? Como resgatar a credibilidade? Como gerar sensação de segurança para a sociedade ordeira que hoje está encarcerada em suas casas, que são verdadeiros presídios? Como fazer com que os profissionais de segurança pública tenham a tranquilidade para andar pelas ruas sendo reconhecidos e respeitados, onde as pessoas os vejam como representantes do Estado? Onde seus familiares fiquem tranquilos de que eles certamente após uma jornada de trabalho retornarão para os seus lares? Como o Estado fará ou estudará um plano de ressocialização de infratores para retornarem para o seio da sociedade? O que o Estado fará para se fazer cumprir a Lei de execução penal, não misturando infratores de modalidades diferentes evitando uma escola do crime organizado? Como o Estado fará para que o preso/recuperando ocupe seu tempo e seja tratado dignamente para voltar à sociedade? Enfim são várias perguntas que precisamos saber.

Como acabar como este sensacionalismo implantado pela nossa mídia que infelizmente enche de sangue nossas manchetes, fazendo com que os infratores se vejam como verdadeiros heróis? Matérias como a dos “Black Blocs = mascarados vestidos de preto”, que espalharam pânico por algumas cidades do país (São Paulo e Rio de Janeiro), causando a destruição de lojas, agências bancárias, veículos e viaturas oficiais da polícia e do Estado, enfim colocando fogo em ônibus depredando órgãos públicos, etc, espalhando o pânico.

Esta situação causa uma sensação de desgoverno, de falta de autoridade, de inversão de valores, de medo. Enfim, um caos geral, e a cada dia novas leis são criadas para inibir a atuação das policias. Veja com relação aos protocolos relativos às manifestações, proibindo policiais militares de utilizarem seus equipamentos (balas de borracha) em razão do receio do julgamento da opinião pública. Como as forças policiais tratarão os bandidos que se escondem entre manifestantes e provocam desordem, caos e desrespeito do Estado e seus representantes?  Lembremos que a violência é reflexão da sociedade, todo policial ou servidor da segurança pública é retirado da sociedade, é ser humano e comete erros como qualquer pessoa.

Meus amigos e amigas, não podemos confundir democracia com anarquia ou qualquer outra desordem. Se for jogada toda responsabilidade da violência sobre a Polícia e seus policiais, e este não poderem desempenhar suas atividades e defender o estado democrático de direito, o que será da Policia, e dá própria sociedade? Estamos diante de sua situação de difícil solução e que só nós mesmos podemos mudar, isto depende de cada um de nós.

Sabemos excessos são cometidos por alguns componentes das instituições, e como profissional de segurança publica me pergunto: Qual profissão que todas as pessoas nunca erram? Qual instituição dentro de nosso país nas diversas atividades humanas não erram? Porque quando um profissional de Segurança Publica erra toda instituição é criticada? Porque estes profissionais na sua maioria quando é acusado de um erro, já é discriminada ou criminalizada sem se dar o mesmo direito que tem outras pessoas e de outros segmentos? Somos seres humanos, temos família, sentimos dores, medo, morremos igual a todo mundo.

Não concordamos com uma verdadeira inversão de valores, polícia acuada, desmotivada e temerosa de seus limites. Tudo isso em razão de que alguns gestores se passarem por bons mocinhos, e no final quem não presta é a Policia. E assim, a sociedade vem a cada dia perdendo seus filhos para as drogas, o crime em geral, e o país a cada dia mais violento.

Permitir que o representante do Estado ( policiais) recebam pedradas, sejam vitimados/executados, lesionados, por vândalos e criminosos que querem acabar com a paz social, criando um estado Paralelo é uma verdadeira inversão de valores.

Temos urgentemente, recuperar o poder e o moral do Estado, através de seus órgãos, em especial quem protege a sociedade, a polícia. Isso não fere em momento algum o estado democrático de direito, pois democracia não é anarquia.

Fica aqui as palavras de um profissional de segurança publica que dedicou 30 anos de sua vida a defender a sociedade e que hoje vê uma inversão de valores, não só da Policia, mas da família, da sociedade, da escola, de tudo.


Leopoldo Vasconcelos, é Capitão da reserva da PM de Minas Gerais, Bacharel em Direito na Faculdade Batista,  Pós-Graduação na UFMG, Pós-Graduação na Fundação João Pinheiro, especialista em segurança pública.


* Os artigos assinados pelos colunistas são de inteira responsabilidade dos autores e não reflete, necessariamente, a opinião do jornal. O Plantão Policial MG, democraticamente, abre esse espaço para que os colunistas tenham total liberdade para exporem suas opiniões nos textos sem nenhum tipo de censura. Os textos são pessoais e cada colunista escolhe o assunto que achar interessante, sendo responsável por eles.  



Sobre o autor:

Site Dedicado aos profissionais de Segurança Pública
Previous Page Next Page Home

Regras Comentário: Não serão aceitos comentários que contenham palavrões, ofensas pessoais ou expressões que tenham por intuito ridicularizar outros leitores

0 comentários: