Plantão Policial MG

Seu site de Segurança Pública do Estado de Minas Gerais.

Rede Gerais





terça-feira, 14 de outubro de 2014

0 Efetivo dos Bombeiros é pequeno para o combate às queimadas em MG

Jornal Hoje em dia destaca a falta de efetivo do Corpo de Bombeiros de MG, meio à escassez de chuva e onda de incêndios.

Não bastassem a escassez de chuva, tempo seco e crimes ambientais, a atual estrutura de combate às queimadas pode favorecer a devastação de áreas verdes em Minas, aponta a própria Associação dos Oficiais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (AOPMBM). 
 
Segundo a entidade que representa a classe, o efetivo empenhado para debelar incêndios florestais seria insuficiente para atender o elevado número de ocorrências registradas neste ano.
 
Só nos nove primeiros meses de 2014, o Corpo de Bombeiros registrou 6.934 incêndios em vegetações do Estado. As ocorrências de janeiro a setembro já superam em 31% todos os atendimentos do ano passado (5.269). A corporação conta com cerca de 6.300 militares. Porém, o efetivo se divide em turnos, serviços administrativos e outras tarefas como vistorias e resgates.
 
“Não se pode esquecer que, todos os anos, temos homens que cumpriram o tempo de serviço e se aposentam. O efetivo está aquém do ideal e ainda temos muitas cidades sem a presença desses militares”, diz o presidente da AOPMBM, tenente-coronel Márcio Ronaldo.
 
Para a superintendente da Associação Brasileira de Defesa do Meio Ambiente (Amda), Maria Dalce Ricas, há a necessidade de se criar um batalhão específico para o combate a incêndios. “De uma forma geral, o que há é uma cultura de defesa civil, que envolve outras atividades como o resgate, por parte da corporação”. Segundo ela, a associação enviou, em 2011, uma proposta ao governo do Estado para a criação do batalhão. 
 
Enquanto a conta não fecha, o fogo segue destruindo as matas. No último fim de semana foram 35 incêndios florestais em unidades de conservação mineiras (UCs). Até o início de outubro foram mais de 9 mil hectares consumidos pelas chamas só nas áreas de preservação geridas pelo Estado. 
 
A previsão é a de que os incêndios destruam mais que o dobro das UCs do que foi registrado em 2013, quando 14 mil hectares de reservas estaduais foram queimados. A estimativa é do diretor de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais da Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Rodrigo Bueno Belo.
 
Ele reconhece que o número de brigadistas (286) e bombeiros poderia ser maior, mas reforça que este é um ano atípico, devido à escassez de chuva. Além disso, Rodrigo Bueno destaca que o Estado investiu na prevenção e no combate. Atualmente, são nove aeronaves em operação e mais de R$ 30 milhões aplicados. “Uma força-tarefa foi montada com a participação de Defesa Civil, polícias Civil e Militar e Corpo de Bombeiros”, lembrou. 
 
ROLA- MOÇA
 
A situação é mais grave no Parque Estadual da Serra do Rola-Moça, na Grande BH. No início da noite dessa segunda-feira (13), pelo menos dois focos ainda estavam sendo debelados. Mais de cem homens, entre brigadistas e bombeiros, atuaram no local. Eles usavam três air tractor e duas aeronaves, com capacidades para 1.500 e 2 mil litros de água, respectivamente. O incêndio chegou a provocar a queda de energia elétrica nos bairros Jardim Canadá e Retiro das Pedras, em Nova Lima.
 
A reportagem entrou em contato com o Corpo de Bombeiros para repercutir o atual efetivo da corporação, mas a informação foi a de que ninguém poderia comentar, pois os oficiais estavam justamente empenhados nos trabalhos de combate a incêndios.
 
Três peritos ambientais investigam queimadas criminosas em Minas
 
Enquanto aumenta o número de incêndios criminosos em unidades de conservação e no entorno dessas áreas, a quantidade de peritos ambientais que investigam esse tipo de ato ilegal em todo o Estado tem diminuído. Atualmente, três profissionais estão lotados no setor de Engenharia Legal do Instituto de Criminalística da Polícia Civil. Porém, um está licenciado por problemas de saúde e outro entrou com pedido de aposentadoria.
 
Só na capital, no ano passado, a Divisão Especializada de Proteção de Meio Ambiente abriu 104 inquéritos para investigar incêndios criminosos em unidades de conservação na cidade e região. Em 2014, de acordo com a delegada Margaret Freitas, já são 321 procedimentos, entre inquéritos, investigações preliminares e diligências. Ela não soube informar o número de investigações concluídas.
 
Para o presidente do Sindicato dos Peritos Criminais no Estado (Sindpecri), Wilton Ribeiro Sales, a apuração sobre as queimadas anda a passos lentos por falta de um efetivo maior. “No momento há apenas um profissional para periciar, se necessário, 70 unidades estaduais, entre parques, estações ecológicas, áreas de proteção ambiental, reservas da vida silvestre, monumentos naturais, reservas de desenvolvimento sustentável e biológicas”, explicou. 
 
A Polícia Civil não comentou o número atual de peritos nem quando um concurso será feito para repor o quadro. Sobre as duas delegacias de meio ambiente em Belo Horizonte, Margaret Freitas disse que um delegado está em férias, e uma outra faz diligência no interior para checar as questões agrárias. 
 
Sobre os incêndios no Parque Estadual do Rola-Moça, a policial disse que aguarda os laudos periciais. “A delegacia não tem perito próprio, apenas investigadores, dois em cada unidade”. Segundo ela, a maioria dos incêndios começa em julho, mas outubro é o mês mais crítico.
 
Apenas em novembro as chuvas vão chegar
 
O calor deve prevalecer em Minas nas próximas semanas. A previsão é de chuva apenas para novembro. De acordo com o meteorologista do TempoClima PUC Minas, Claudemir de Azevedo Félix, uma massa de ar seco bloqueia a chegada de frentes frias ao Sudeste, impedindo as precipitações normalmente registradas nesta época do ano. 
 
O volume de chuva previsto para o próximo mês é de 227 milímetros, superior ao da média histórica de anos anteriores, mas insuficiente para suprir o atual déficit hídrico das represas no Estado. 
 
“Devido a duas estações chuvosas secas dos anos anteriores, a próxima não deve ser suficiente para minimizar o quadro de estiagem prolongada que estamos sofrendo”, observou Félix.
 
Gear
 
Formado por órgãos públicos estaduais e municipais, o Grupo Executivo de Áreas de Risco (Gear) começou nessa segunda-feira (13) a discutir ações preventivas contra enchentes. De acordo com o prefeito Marcio Lacerda, R$ 1 bilhão será investido nos próximos dois anos em obras para evitar inundações. 
 
“Essas obras ocorrem em todas as áreas de Belo Horizonte que contemplam muitos dos 82 pontos de alagamento. A cidade vai ser preparada para, cada vez mais, diminuir os riscos de desastre”, explicou o coordenador municipal da Defesa Civil, coronel Alexandre Lucas Alves. As avenidas Cristiano Machado, Prudente de Morais e Bernardo Vasconcelos estão entre os pontos tradicionais de alagamento na cidade. 
 
Há um ano, a capital faz parte do programa Cidades Resilientes, da Organização das Nações Unidas (ONU). O projeto pretende estimular cidades a desenvolver projetos que minimizem os riscos de desastres.
 
Casas ameaçadas pelas chamas
 
Nessa segunda-feira (13), os bombeiros combatiam vários incêndios em vegetações que chegaram até a ameaçar residências da Grande BH. Em Betim, a situação chegou a se repetir pelo menos quatro vezes ao longo do dia. Segundo a corporação, o mais grave ocorreu na rua São Julião, no bairro Granjas São João. O fogo teve início em uma área verde, por volta das 13h, e só foi controlado por volta de 16h30, chamuscando as paredes e queimando uma área de quase 10 mil metros quadrados.
 
Em Sabará, o fogo ameaçou imóveis no bairro Borba Gato. A mesma situação se repetiu na rua José Cleto, no bairro Palmares (Nordeste de BH), próximo ao Parque Ecológico Renato Azeredo, e também na mata do Recanto, no bairro Ribeiro de Abreu (Norte).
 
Águas subterrâneas
 
Começa nesta terça-feira (14) e vai até sexta-feira (17), na capital, o 18º Congresso Brasileiro de Águas Subterrâneas. Os debates vão pontuar a utilização, a extração e o uso da água. A abertura será às 18h horas, no Minascentro.
Com informações do Hoje em dia

Sobre o autor:

Site Dedicado aos profissionais de Segurança Pública
Previous Page Next Page Home

Regras Comentário: Não serão aceitos comentários que contenham palavrões, ofensas pessoais ou expressões que tenham por intuito ridicularizar outros leitores

0 comentários: