Plantão Policial MG

Seu site de Segurança Pública do Estado de Minas Gerais.

Rede Gerais





terça-feira, 25 de março de 2014

0 MG - Sistema de segurança vulnerável ajuda bandidos a montar arsenal

Matéria do Jornal Hoje em dia alerta para a vulnerabilidade do sistema de segurança em Minas Gerais, lembrando que desde 2011, pelo menos três nidades da PM, além do Fórum de Contagem, foram invadidos com a finalidade de aumentar o arsenal dos criminosos, para cometimento de novos delitos. Confira:


 A vulnerabilidade de unidades que integram o sistema de segurança pública mineiro facilita a ação de bandidos que, cada vez mais ousados, invadem quartéis e batalhões da Polícia Militar e até anexos de prisões para roubar armas. Na segunda-feira (24), criminosos atacaram a Central Integrada de Escoltas, junto ao Presídio Antônio Dutra Ladeira, em Ribeirão das Neves, na Grande Belo Horizonte, e furtaram 45 armas, além de farta munição.

Para especialistas, a ação comprova que traficantes, homicidas e ladrões de banco estão sendo “abastecidos” por armas exclusivas das forças de segurança. 
 
Desde 2011, pelo menos três unidades da PM, além do Fórum de Contagem, foram invadidos com essa finalidade. Uma carabina, um fuzil e uma pistola semiautomática roubados em outubro de 2013 da 180ª Companhia da PM, em Vespasiano (RMBH), foram usados na execução do advogado Jayme Eulálio de Oliveira, de 37 anos, dias depois. Cinco militares chegaram a ser afastados do trabalho suspeitos de envolvimento no caso. 
 
Para o vice-presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), deputado estadual Sargento Rodrigues, servidores podem estar ajudando bandidos. O desvio de conduta de agentes públicos, diz, fortalece quadrilhas organizadas, colocando em risco policiais e a população. 
 
“Não acredito em fragilidade do sistema e sim na conivência de servidores nesses furtos, principalmente no paiol de armas da Dutra Ladeira”, disse, citando o episódio de segunda. Segundo ele, as próximas 72 horas serão cruciais para a localização dos armamentos. “Se não forem recuperados até lá, será mais uma prova da fragilidade do sistema”. 
 
O coordenador do Centro de Pesquisa e Segurança Pública da PUC Minas, Luiz Flávio Sapori, diz que a vulnerabilidade foi percebida pelos criminosos, que agem sem medo. Enquanto isso, os policiais são incapazes de proteger os próprios equipamentos e locais de trabalho. 
 
Para Sapori, a situação é grave e há falhas na vigilância do estoque de armas nas unidades prisionais e até nos quartéis. “É um grande vexame. A Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) tem a obrigação de revelar o que aconteceu e prender os envolvidos”, afirma, completando que a corrida deve ser contra o tempo. “Essas armas já estão sendo negociadas no mercado negro. Durante a Copa do Mundo, os fuzis e as pistolas poderão ser usados”. 
 
Presidente do Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária de Minas Gerais (Sindasp), Adeílton de Souza Rocha confirma a situação. Segundo ele, a entidade denunciou à Seds a necessidade de melhorias na Central de Escoltas, antes da inauguração, em maio de 2013, mas nada teria sido feito para solucionar a questão. 
 
“No local não há muro de proteção, iluminação ou policiamento. Além disso, apenas uma cerca de arame farpado isola o imóvel. E uma rua de terra dá acesso direto à BR-040, o que facilita a ação dos bandidos”. 
 
Ponto a ponto
 
O Hoje em Dia teve acesso aos nomes dos agentes que estavam de plantão na Central de Escoltas. São eles: Mauro Santana (coordenador); Sidnei Souza Abreu; Marcos Tadeu Alves; Alan Máximo Pinto; Marcos Ferreira dos Santos; Milton Gomes da Silva; Marco Antônio Rodrigues Nogueira; Edney Ramos da Silva e Alan Pereira.
 
Todos ficarão afastados por 30 dias, prorrogáveis por mais 30, dependendo do andamento das investigações. A Corregedoria da Seds apura se houve desvio de conduta de funcionários.
 
Plantão com Jornal Hoje em dia

Sobre o autor:

Site Dedicado aos profissionais de Segurança Pública
Previous Page Next Page Home

Regras Comentário: Não serão aceitos comentários que contenham palavrões, ofensas pessoais ou expressões que tenham por intuito ridicularizar outros leitores

0 comentários: